terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Gabriel Cardoso, The Noise Machine. 2015


The Noise Machine 
O projecto “The Noise Machine” é o culminar da proposta de projecto para a unidade curricular de Som da ESAP. O projecto consiste na junção do poder de processamento de som do SuperCollider, Processing e Touch OSC de forma a criar um espécie de instrumento que podemos influenciar e que o computador influência também à sua maneira com uma série de condições impostas em código para criar alguma “randomness” que fará com que cada utilização desta mesma espécie de instrumento seja única. O programa SuperCollider é basicamente composto por 3 partes distintas, uma parte é código, um cliente que é a plataforma onde programamos o nosso som e um servidor que é incumbido de interpretar o código recebido de um cliente e gerar o som de acordo com o código que lhe for enviado pelo cliente. Esta forma de trabalhar permite não só gerar o nosso som através de código “estático”, como permite também, fazer gerar som influenciado por programação “live” podendo usar um ou mais computadores para programar e assim permitir performances com vários participantes e também influenciar através de inputs externos como por exemplo através de OSC como usado neste projecto. OSC (Open Sound Control) é um protocolo de rede para interligação entre instrumentos, computadores e outros aparelhos multimédia (como um iPhone ou Android). O OSC é vastamente utilizado pois ultrapassa desvantagens de outros protocolos como por exemplo o MIDI pois permite comunicações é distancia entre interfaces através da internet, permite enviar informações/“mensagens” mais complexas, entre outras. Neste projecto o OSC foi utilizador para fazer a ligação entre o SuperCollider, Processing e ainda o Touch OSC. O Touch OSC é um programa, disponível para iOS e Android, no qual temos interfaces gráficas (predefinidas ou criadas pelo utilizador através do computador) que enviam “mensagens” OSC, essas mensagens depois são interpretadas por um outro programa podendo assim gerar som, o que torna o Touch OSC uma espécie de instrumento virtual à nossa perfeita medida pois podemos desenvolver a sua interface para corresponder às necessidades. O Processing, é também uma linguagem de programação. Este possui também um interpretador de código no qual programaticamente podemos gerar imagens de vídeo, estático, dinâmico, interactivo, 2D e 3D, entre muitas outras tarefas que esta linguagem é capaz. O projecto aliou estas tecnologias para a criação de uma espécie de instrumento digital. Com o Processing criamos um vídeo simples, dinâmico, que consiste em pequenas circunferências a serem criadas com uma frequência“random” que viajam de uma ponta à outra da janela com um velocidade entre x e x valores, velocidade esta que apesar de compreendida entre dois valores, é sempre definida ao acaso pelo computador. Com este simples vídeo, através de OSC, cada vez que uma das circunferências chega ao outro extremo da janela (neste caso o extremo esquerdo) é enviada uma “mensagem” ao SuperCollider, que por sua vez vai gerar um som diferente por cada circunferência, tudo com determinados paramentos que fazem com que o som varie ao longo do tempo, criando sempre algo novo. O projecto completa-se então com a adição do Touch OSC. No Touch OSC temos então uma interface criada por mim para controlar/influenciar o SuperCollider. Na interfaces existem controlos para ligar e desligar 2 sintetizadores (botões azuis claros), um rotor para controlar o pan de um dos sintetizadores, mais 2 rotores para influenciar o detune de ambos os sintetizadores, respectivamente, 2 sliders amarelos para controlar a amplitude dos sintetizadores, 2 sliders verdes que influenciam o numero de harmónicos e 2 sliders verdes que influenciam a frequências base para cada um dos sintetizadores. À parte do que é possível controlar/influenciar através do Touch OSC os sintetizadores geram sons adulterados por variáveis que estão em constante mudança e que são unicamente geradas pelo computador sempre aleatoriamente, aumentando o teor de “randomness” deste instrumento e que torna cada utilização do mesmo única. 

Titulo:The Noise Machine. 

Projecto final desenvolvido por: Gabriel Cardoso. 

Aluno de Design de Comunicação Multimédia.
Ano:2015
Projecto apresentado e desenvolvido na disciplina de som da Licenciatura de Artes Plásticas Intermédia. Sobre orientação de Hugo Paquete. Escola Superior Artística do Porto

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Joana Torrinha: Não-Espaço. 2015

Joana Torrinha: Não-Espaço. 2015

Joana Torrinha: Não-Espaço. 2015

Titulo: Não-Espaço. Instalação multimédia, dupla projeção vídeo e som gerado pelo campo eletromagnético de dispositivos eletrónicos.

Projecto final desenvolvido por: Joana Torrinha.
Aluno de Artes Plásticas Intermédia.
Ano:2015

O espaço é tomado como ponto de partida e central numa componente prática na percepção do mesmo procurando evidenciar o espaço como elemento imperceptível na realidade que nos circunda. Procuro explorar a realidade do plano tecnológico na sua permanência invisível que habita em paralelo conosco diariamente. A apreensão dessa mesma realidade é trabalhada através do registo de sons in-audíveis ao ouvido humano que são trabalhos no sentido de criar uma ambiência experimental acompanhada de uma componente visual baseada no erro do sistema vídeo.
Esta peça consiste na amplificação e leitura da informação ruidosa produzida pelos campos electromagnéticos dos dispositivos electrónicos que nos são tão familiares actualmente, como o computador pessoal, o telemóvel, os dispositivos áudio, etc. Procuro consciencializar o receptor para a presença tecnológica que habita secretamente o não espaço. Através da amplificação dos sinais electromagnéticos é possível percepcionar tudo o que implica a nossa conexão ao mundo tecnológico.
A experiência (não) espacial é dinamizada através dos elementos físicos especialmente concebidos para essa mesma perícia onde procuro que o espectador se deixe envolver pelo espaço guiado pela peça visual e sonora. O que me interessa é a percepção e a consciencialização e o transporte físico e psicológico do imperceptível. O meu trabalho procura que o espectador se dê à experiência estética do não-espaço interpretada no meu projecto.

Sobre orientação de Hugo Paquete.
Escola Superior Artística do Porto

Sónia Catita: Delírio. 2015

Titulo: Delírio.
Projecto final desenvolvido por: Sónia Catita.
Aluna de Artes Visuais Fotografia.
Ano:2015
Projecto apresentado e desenvolvido na disciplina de som da Licenciatura de Artes Plásticas Intermédia.
Sobre orientação de Hugo Paquete.
Escola Superior Artística do Porto

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Ana Sousa: 4/4 Quartos: Projecto 10 quartos. 2015

Titulo: 4/4 Quartos: Projecto 10 quartos.
Projecto desenvolvido por: Ana Sousa.
Aluna de Artes Plásticas Intermédia.
Ano:2015
Sobre orientação de Hugo Paquete.
Escola Superior Artística do Porto

Diana Santos e Joana Rodrigues: Construção Sonora interactiva entre corpo, som e imagem. 2015

Titulo: Construção Sonora interactiva.
Projecto final desenvolvido por: Diana Santos e Joana Rodrigues.
Alunas de Design de Comunicação Multimédia.
Ano:2015
Projecto apresentado e desenvolvido na disciplina de som da Licenciatura de Artes Plásticas Intermédia.
Sobre orientação de Hugo Paquete.
Escola Superior Artística do Porto

Resumo:

Introdução:
Criar um interação entre o corpo fisico e o digital de forma a conseguir uma composição sonora através de movimentos coreografados. 
Objectivos:
Esta construção será baseada na junção de sons sample de comboios e metros, bem como o som de gravações de situações que tiveram lugar nos mesmo. Com isto, criar uma composição sonora de forma a percorrer o dia a dia automático do ser humano, bem como o momento em que este quebra. Metodologia:
Será criada uma dicotomia, presencial, em que, num primeiro computador será lançado a faixa base, uma musica calma, compassada, e repetitiva, representando assim o ócio do ser humano. A sua subjectivo a se comportarem como maquinas, automáticas. Trabalho. Casa. Trabalho. Casa. Para isto serão feitos movimentos, lentos, calmos, chatos. Tornando assim, esta primeira parte do conjunto performativo a representação da mecanização do cérebro. Numa segunda parte, num segundo conjunto performativo, este será composto por movimentos brutos, rápidos, fortes e diferentes, de forma a projectar um vídeo representativo de maquina, ao mesmo tempo que serão lançados sons, das maquinas em si (comboios e metro) e sons de gravações de situações em que o ser humano quebrou nestes mesmos locais de tao grande monotonia! As maquinas quebram, e por muito programado que um cérebro esteja a comportar-se de certa forma, este também quebra. Falha. Avaria. A falta de personalidade, a frustração de nos ver-mos tornar tantos iguais a todos, pode trazer o nosso lado mau ao de cima. O mau, não, o pior.

Michela Monti: The cage is in your mind. 2015

Titulo: The cage is in your mind.
Projecto final desenvolvido por: Michela Monti.
Aluna de Artes Visuais Fotografia.
Ano:2015
Projecto apresentado e desenvolvido na disciplina de som da Licenciatura de Artes Plásticas Intermédia.
This installation is a part of the final project of "Projeto III" and "Som" ESAP courses.
Thanks to Porto Lazer, Prof. Hugo Paquete, and Prof. Rui Lourosa.
"The Cage is in Your Mind" é uma instalação que retrata a visão do Homem como indivíduo que se relaciona com a sociedade contemporânea.
Numa combinação de som e imagem, o espectador é transportado para a sua própria realidade, a exposição do interior contra o exterior 'desejado' pela sociedade.
 

Sobre orientação de Hugo Paquete e Rui Lourosa.
Escola Superior Artística do Porto

Random Processing Oscillator: Tiago Oliveira, Software Art for music and performance. 2015

“Random Processing Oscillator” utiliza o software SuperCollider para gerar som aleatoriamente e a linguagem Processing, e a respectiva plataforma, para manipular o mesmo som através do teclado de qualquer computador.

A ideia inicial seria gerar som através de palavras ou frases que seriam introduzidas numa caixa de texto. De seguida, o software iria interpretar cada letra como um sample e depois tocá-los repetidamente de forma ordenada. O primeiro problema que surgiu foi decidir que software utilizar, sendo que a minha primeira ideia seria usar o Adobe Flash. Ao inserir samples no Flash percebi que estes ficavam ligeiramente diferentes por algum motivo. Rapidamente decidi explorar outros softwares como o Flowstone, o SuperCollider e o Processing. 
Embora não estivesse familiarizado com as linguagens de programação utilizadas por estes softwares. mas por outro lado tendo conhecimento de outras e bases de algoritmia, decidi arriscar e experimentar estas plataformas.
Começando pelo Processing, consegui tocar samples cada vez que pressionava uma tecla e até criar diferentes grafismos e formas geométricas. Depois de desenvolver um pouco código apercebi-me que tinha de coordenar muito bem o timing de quando pressionava as teclas, muitas das vezes acabava por carregar em várias de forma aleatória e que não tinha muita variedade de diferentes sons. Decidi explorar um pouco o SuperCollider, graças a uma ideia de um colega e através de vídeos e tutoriais, fazer com que funcionasse juntamente com o Processing.
Acabei por criar um sintetizador de som no SuperCollider a partir de geradores de pulsação e de ruído, bem como efeitos. Depois, através do Processing atribuí a cada tecla alfabética do computador uma variável, incrementado ou decrementando o valor do que se quisesse modificar. Com a ideia dos samples ainda na cabeça, atribuí também um sample a algumas teclas, que são tocadas conforme o valor da amplitude gerada pelo SuperCollider.
Não satisfeito ainda com o projecto, acrescentei código no ficheiro de Processing que cria elipses de forma, posição e cor aleatória conforme o valor da amplitude e rectângulos também com forma, posição e cor aleatória cada vez que é pressionada uma tecla, criando uma composição gráfica desenvolvida tanto pelo próprio computador como pelo utilizador.
Especificações Técnicas
Este projeto foi possível graças às bibliotecas que estão disponíveis no Processing, e como esta é uma plataforma open source, consegui aceder a outras bibliotecas criadas por outros utilizadores. Utilizei a biblioteca “minim”, já incluída no Processing, que permite a integração ficheiros de som nos sketches, bem como gravação e sintetização de audio. Depois de conseguir tocar samples, precisei de uma biblioteca que fizesse a ligação entre o Processing e o SuperCollider. Foi então que encontrei um website de um sound artist, Daniel Jones, com tutoriais e alguns projetos desenvolvidos por ele (www.erase.net). Foi neste website que tive acesso às outras bibliotecas que me permitiram fazer este projecto.

Random Processing Oscillator: Software Art application for music and performance.

Projecto final desenvolvido por: Tiago Oliveira.
Aluno de Design de Comunicação Multimédia.
Ano:2015
Projecto apresentado e desenvolvido na disciplina de som da Licenciatura de Artes Plásticas Intermédia.
Sobre orientação de Hugo Paquete.
Escola Superior Artística do Porto.

Kico Robles aka Fir: Voz do Douro. Instalação sonora na Ponte Dão Luís e documentação vídeo. 2012


Voz do Douro from fj_robles on Vimeo.

Projecto final desenvolvido por: Kico Robles aka Fir
http://fjrobles.blogspot.pt/
Aluno de Design de Comunicação Multimédia.
Ano:2012
Projecto apresentado e desenvolvido na disciplina de som da Licenciatura de Artes Plásticas Intermédia.
Sobre orientação de Hugo Paquete.
Escola Superior Artística do Porto 

Ana Santos: Un///titled. 2013

Titulo: Un///titled.
Projecto final desenvolvido por: Ana Santos.
Aluna de Design de Comunicação Multimédia.
Ano:2013
 Projecto apresentado e desenvolvido na disciplina de som da Licenciatura de Artes Plásticas Intermédia.
Sobre orientação de Hugo Paquete.
Escola Superior Artística do Porto

Rodrigo Dominguez Rodriguez: Sound performance Guitarra preparada improvisaciones. 2012

Titulo: Sound performance Guitarra preparada improvisaciones.
Projecto final desenvolvido por: Rodrigo Dominguez Rodriguez.
Aluno de Artes Plásticas Intermédia.
Ano:2012
Sobre orientação de Hugo Paquete.
Escola Superior Artística do Porto

João Garcia: Composition n:01. 2015

Titulo: Composition n:01
Projecto final desenvolvido por: João Garcia.
Aluno de Artes Plásticas Intermédia.
Ano:2015
Projecto apresentado e desenvolvido na disciplina de som da Licenciatura de Artes Plásticas Intermédia. Este projecto desenvolveu-se partindo de uma proposta apresentada ao aluno, que tinha como objectivo a construção de uma pequena obra, composição sonora. Tendo como base a gravação de sons concretos de um edifício. Sons esse, que seriam o material a utilizar na composição, com o objectivo, de desenvolver nos alunos a capacidade de pensar a materialidade do som como media e suas características e especificidades, aplicando uma escuta reflexiva sobre o material gravado, processado e organizado no tempo. Explorando a capacidade de construção de pequenas narrativas de eventos, estilo e detalhe. Esta proposta tem o objectivo de apresentar ao aluno métodos de gravação, captura, tecnologias associadas e pensamento critico, sobre som aperiódico e sua dimensão de evento presente na realidade como material de pesquisa, manipulação e evocação. 

Sobre orientação de Hugo Paquete.
Escola Superior Artística do Porto

Marta Perez Vera: Memorias para un aquecedor. 2012

Titulo: Memorias para un aquecedor.
Projecto final desenvolvido por: Marta Perez Vera.
Aluna de Artes Plásticas Intermédia.
Ano:2012
Projecto apresentado e desenvolvido na disciplina de som da Licenciatura de Artes Plásticas Intermédia.
Esta pieza sonora forma parte del conjunto de proyectos llevados a cabo durante este curso, todos entorno al tema de la memoria. Este ultimo trabajo realizado en porto, se trata de una poesía sonora que cuenta el transcurso de los días allí pasados en compañía de los sonidos de los electrodomesticos de la casa en la que vivía y trabajaba, invasores , pero a la vez acompañantes fieles de este periodo de este tiempo. Esta pieza engloba simbólicamente los proyectos realizados allí tanto como la propia experiencia del haber estado en porto cinco meses viviendo. Objetivos: Experimentar las posibilidades de l sonido, Usa como material para el desenvolvimiento de una pieza artistica Metodologi­a: Grabar sonidos procedentes del aquecedor. Realizar poesía sonora en directo(performance) de la cual el registro sonoro nos servirá para montar una pieza sonora definitiva en la que, se convinan los sonidos grabados de la performance donde se representa el transcurso de los días en compañía de esta maquina,el aquecedor, con el sonido de este mismo grabado por otro lado. Despurados se convinan y alteran individual y virtualmente. En la pieza final nos encontramos con un sonido repetitivo pero a la vez constantemente cambiante pues, por un lado el sonido monótono de la maquina se repite incesante mientras que, a la vez surgen los sonidos que cuentan la historia del dia a dia extraidos de la performance.Los cuales siguen un hilo narrativo desde el amanecer a la noche, reproduciendo en sonido el transcurso del dia a travas de las preparaciones de las principales comidas del dia­.desayuno, comida y cena.

Sonia Catita: Sound Experiment. 2015



Titulo: Sound Experiment 
Projecto final desenvolvido por: Sonia Catita. 
Aluna de Artes Visuais fotografia. 
Ano:2015 
Projecto apresentado e desenvolvido na disciplina de som da Licenciatura de Artes Plásticas Intermédia. Este projecto desenvolveu-se partindo de uma proposta apresentada ao aluno, que tinha como objectivo a construção de uma pequena obra, composição sonora. Tendo como base a gravação de sons concretos de um edifício. Sons esse, que seriam o material a utilizar na composição, com o objectivo, de desenvolver nos alunos a capacidade de pensar a materialidade do som como media e suas características e especificidades, aplicando uma escuta reflexiva sobre o material gravado, processado e organizado no tempo. Explorando a capacidade de construção de pequenas narrativas de eventos, estilo e detalhe. 
Esta proposta tem o objectivo de apresentar ao aluno métodos de gravação, captura, tecnologias associadas e pensamento critico, sobre som aperiódico e sua dimensão de evento presente na realidade como material de pesquisa, manipulação e evocação. 
Sobre orientação de Hugo Paquete. 
Escola Superior Artística do Porto

Tiago Vilar: The End 01 e The End 02: Un-title. 2015

Titulo: The End 01 e The End 02: Un-title.
Projecto final desenvolvido por: Tiago Vilar.
Aluno de Design de Comunicação Multimédia.
Ano:2015
Projecto apresentado e desenvolvido na disciplina de som da Licenciatura de Artes Plásticas Intermédia.
Este projecto desenvolveu-se partindo de uma proposta apresentada ao aluno, que tinha como objectivo a construção de uma pequena obra, composição sonora. Tendo como base a gravação de sons concretos de um edifício. Sons esse, que seriam o material a utilizar na composição, com o objectivo, de desenvolver nos alunos a capacidade de pensar a materialidade do som como media e suas características e especificidades, aplicando uma escuta reflexiva sobre o material gravado, processado e organizado no tempo. Explorando a capacidade de construção de pequenas narrativas de eventos, estilo e detalhe.
Esta proposta tem o objectivo de apresentar ao aluno métodos de gravação, captura, tecnologias associadas e pensamento critico, sobre som aperiódico e sua dimensão de evento presente na realidade como material de pesquisa, manipulação e evocação.
Sobre orientação de Hugo Paquete.
Escola Superior Artística do Porto

More info about Tiago Vilar:
https://soundcloud.com/tiagovilar93

João Alves: Scsdavasdcsdvsdvsdcsdavsdacsacsadvsadcdsv. 2015

Titulo: Scsdavasdcsdvsdvsdcsdavsdacsacsadvsadcdsv.
Projecto final desenvolvido por: João Alves.
Aluno de Artes Plásticas Intermédia.
Ano:2015
Projecto apresentado e desenvolvido na disciplina de som da Licenciatura de Artes Plásticas Intermédia.
Este projecto desenvolveu-se partindo de uma proposta apresentada ao aluno, que tinha como objectivo a construção de uma pequena obra, composição sonora. Tendo como base a gravação de sons concretos de um edifício. Sons esse, que seriam o material a utilizar na composição, com o objectivo, de desenvolver nos alunos a capacidade de pensar a materialidade do som como media e suas características e especificidades, aplicando uma escuta reflexiva sobre o material gravado, processado e organizado no tempo.
Explorando a capacidade de construção de pequenas narrativas de eventos, estilo e detalhe. Esta proposta tem o objectivo de apresentar ao aluno métodos de gravação, captura, tecnologias associadas e pensamento critico, sobre som aperiódico e sua dimensão de evento presente na realidade como material de pesquisa, manipulação e evocação.
Sobre orientação de Hugo Paquete.
Escola Superior Artística do Porto.

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Random Processing Oscillator: Tiago Oliveira, Software Art for music and performance. 2015

Random Processing Oscillator: Tiago Oliveira, Software Art for musical and performance. 2015 on Make A Gif
Random Processing Oscillator: Tiago Oliveira, Software Art for music and performance. 2015
Commercial Photography
Random Processing Oscillator: Tiago Oliveira, Software Art for music and performance. 2015
O “Random Processing Oscillator” utiliza o software SuperCollider para gerar som aleatoriamente e a linguagem Processing, e a respectiva plataforma, para manipular o mesmo som através do teclado de qualquer computador.
A ideia inicial seria gerar som através de palavras ou frases que seriam introduzidas numa caixa de texto. De seguida, o software iria interpretar cada letra como um sample e depois tocá-los repetidamente de forma ordenada. O primeiro problema que surgiu foi decidir que software utilizar, sendo que a minha primeira ideia seria usar o Adobe Flash. Ao inserir samples no Flash percebi que estes ficavam ligeiramente diferentes por algum motivo. Rapidamente decidi explorar outros softwares como o Flowstone, o SuperCollider e o Processing. 
Embora não estivesse familiarizado com as linguagens de programação utilizadas por estes softwares. mas por outro lado tendo conhecimento de outras e bases de algoritmia, decidi arriscar e experimentar estas plataformas.
Começando pelo Processing, consegui tocar samples cada vez que pressionava uma tecla e até criar diferentes grafismos e formas geométricas. Depois de desenvolver um pouco código apercebi-me que tinha de coordenar muito bem o timing de quando pressionava as teclas, muitas das vezes acabava por carregar em várias de forma aleatória e que não tinha muita variedade de diferentes sons. Decidi explorar um pouco o SuperCollider, graças a uma ideia de um colega e através de vídeos e tutoriais, fazer com que funcionasse juntamente com o Processing.
Acabei por criar um sintetizador de som no SuperCollider a partir de geradores de pulsação e de ruído, bem como efeitos. Depois, através do Processing atribuí a cada tecla alfabética do computador uma variável, incrementado ou decrementando o valor do que se quisesse modificar. Com a ideia dos samples ainda na cabeça, atribuí também um sample a algumas teclas, que são tocadas conforme o valor da amplitude gerada pelo SuperCollider.
Não satisfeito ainda com o projecto, acrescentei código no ficheiro de Processing que cria elipses de forma, posição e cor aleatória conforme o valor da amplitude e rectângulos também com forma, posição e cor aleatória cada vez que é pressionada uma tecla, criando uma composição gráfica desenvolvida tanto pelo próprio computador como pelo utilizador.
Especificações Técnicas
Este projeto foi possível graças às bibliotecas que estão disponíveis no Processing, e como esta é uma plataforma open source, consegui aceder a outras bibliotecas criadas por outros utilizadores. Utilizei a biblioteca “minim”, já incluída no Processing, que permite a integração ficheiros de som nos sketches, bem como gravação e sintetização de audio. Depois de conseguir tocar samples, precisei de uma biblioteca que fizesse a ligação entre o Processing e o SuperCollider. Foi então que encontrei um website de um sound artist, Daniel Jones, com tutoriais e alguns projetos desenvolvidos por ele (www.erase.net). Foi neste website que tive acesso às outras bibliotecas que me permitiram fazer este projecto.

Random Processing Oscillator: Software Art application for music and performance.
Projecto final desenvolvido por: Tiago Oliveira.
Aluno de Design de Comunicação Multimédia.
Ano:2015
Projecto apresentado e desenvolvido na disciplina de som da Licenciatura de Artes Plásticas Intermédia.
Sobre orientação de Hugo Paquete.
Escola Superior Artística do Porto.

Do outro Lado: Mariana Bonaparte, 2015


Do outro lado from Mariana Bonaparte on Vimeo.

Titulo: Do Outro Lado.
Projecto final desenvolvido por: Mariana Bonaparte
Aluna de Artes Visuais: Fotografia.
Ano:2015
Projecto apresentado e desenvolvido na disciplina de som da Licenciatura de Artes Plásticas Intermédia.
Sobre orientação de Hugo Paquete.
Escola Superior Artística do Porto.

Sincronismo entre som e imagem: Ana Silva e Francisca Magalhães.

Sincronismo entre som e imagem.
Projecto final desenvolvido por: Ana Silva e Francisca Magalhães.
Alunas de Design de Comunicação Multimédia. 
Ano: 2015 
Projecto apresentado e desenvolvido na disciplina de som da Licenciatura de Artes Plásticas Intermédia. 
Sobre orientação de Hugo Paquete. 
ESAP: Escola Superior Artística do Porto.