terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Gabriel Cardoso, The Noise Machine. 2015


The Noise Machine 
O projecto “The Noise Machine” é o culminar da proposta de projecto para a unidade curricular de Som da ESAP. O projecto consiste na junção do poder de processamento de som do SuperCollider, Processing e Touch OSC de forma a criar um espécie de instrumento que podemos influenciar e que o computador influência também à sua maneira com uma série de condições impostas em código para criar alguma “randomness” que fará com que cada utilização desta mesma espécie de instrumento seja única. O programa SuperCollider é basicamente composto por 3 partes distintas, uma parte é código, um cliente que é a plataforma onde programamos o nosso som e um servidor que é incumbido de interpretar o código recebido de um cliente e gerar o som de acordo com o código que lhe for enviado pelo cliente. Esta forma de trabalhar permite não só gerar o nosso som através de código “estático”, como permite também, fazer gerar som influenciado por programação “live” podendo usar um ou mais computadores para programar e assim permitir performances com vários participantes e também influenciar através de inputs externos como por exemplo através de OSC como usado neste projecto. OSC (Open Sound Control) é um protocolo de rede para interligação entre instrumentos, computadores e outros aparelhos multimédia (como um iPhone ou Android). O OSC é vastamente utilizado pois ultrapassa desvantagens de outros protocolos como por exemplo o MIDI pois permite comunicações é distancia entre interfaces através da internet, permite enviar informações/“mensagens” mais complexas, entre outras. Neste projecto o OSC foi utilizador para fazer a ligação entre o SuperCollider, Processing e ainda o Touch OSC. O Touch OSC é um programa, disponível para iOS e Android, no qual temos interfaces gráficas (predefinidas ou criadas pelo utilizador através do computador) que enviam “mensagens” OSC, essas mensagens depois são interpretadas por um outro programa podendo assim gerar som, o que torna o Touch OSC uma espécie de instrumento virtual à nossa perfeita medida pois podemos desenvolver a sua interface para corresponder às necessidades. O Processing, é também uma linguagem de programação. Este possui também um interpretador de código no qual programaticamente podemos gerar imagens de vídeo, estático, dinâmico, interactivo, 2D e 3D, entre muitas outras tarefas que esta linguagem é capaz. O projecto aliou estas tecnologias para a criação de uma espécie de instrumento digital. Com o Processing criamos um vídeo simples, dinâmico, que consiste em pequenas circunferências a serem criadas com uma frequência“random” que viajam de uma ponta à outra da janela com um velocidade entre x e x valores, velocidade esta que apesar de compreendida entre dois valores, é sempre definida ao acaso pelo computador. Com este simples vídeo, através de OSC, cada vez que uma das circunferências chega ao outro extremo da janela (neste caso o extremo esquerdo) é enviada uma “mensagem” ao SuperCollider, que por sua vez vai gerar um som diferente por cada circunferência, tudo com determinados paramentos que fazem com que o som varie ao longo do tempo, criando sempre algo novo. O projecto completa-se então com a adição do Touch OSC. No Touch OSC temos então uma interface criada por mim para controlar/influenciar o SuperCollider. Na interfaces existem controlos para ligar e desligar 2 sintetizadores (botões azuis claros), um rotor para controlar o pan de um dos sintetizadores, mais 2 rotores para influenciar o detune de ambos os sintetizadores, respectivamente, 2 sliders amarelos para controlar a amplitude dos sintetizadores, 2 sliders verdes que influenciam o numero de harmónicos e 2 sliders verdes que influenciam a frequências base para cada um dos sintetizadores. À parte do que é possível controlar/influenciar através do Touch OSC os sintetizadores geram sons adulterados por variáveis que estão em constante mudança e que são unicamente geradas pelo computador sempre aleatoriamente, aumentando o teor de “randomness” deste instrumento e que torna cada utilização do mesmo única. 

Titulo:The Noise Machine. 

Projecto final desenvolvido por: Gabriel Cardoso. 

Aluno de Design de Comunicação Multimédia.
Ano:2015
Projecto apresentado e desenvolvido na disciplina de som da Licenciatura de Artes Plásticas Intermédia. Sobre orientação de Hugo Paquete. Escola Superior Artística do Porto

Sem comentários:

Enviar um comentário